sábado, 28 de fevereiro de 2015

Reflexão: "Lidar com um adolescente pode ser um desafio para muitos pais"

A psicóloga Maria Raul Xavier orienta os pais a gerirem melhor as relações

Atravessar a adolescência traz significativas alterações para os jovens, mas também para os próprios pais.
Que tipo de regras impôr, como gerir a influência dos amigos, como lidar com a crescente autonomia dos filhos são preocupações dos pais a que a psicóloga e docente da Faculdade de Educação e Psicologia da Católica Porto, Maria Raul Xavier, responde.

Como se deve lidar com um filho adolescente? 
As novas características físicas, cognitivas e emocionais dos adolescentes levam muitas vezes os pais a interrogarem-se se estarão a lidar com um desconhecido e não com aquela criança que conheciam tão bem. Temos que nos lembrar que o filho é o mesmo e que está a passar – como é normal e desejável – por um novo estádio ou fase de desenvolvimento que corresponde às “tais” novas características que por vezes deixam os pais a suspirar… Assim, é muito difícil responder a esta questão mas posso sugerir “3 passos” para os pais: investir num sentimento de relação e na qualidade da comunicação, monitorizar os interesses e atividades do adolescente e encorajar a independência. 


Qual a melhor estratégia para impor regras?
Apesar de compreender a utilidade de identificar uma estratégia “especial” para lidar com a questão das regras, a verdade é que tal não existe. Não há dois adolescentes iguais nem pais iguais. No entanto, diversos estudos têm revelado que não é a ideia da “imposição” que apresenta maior eficácia. Quando exploramos o tema das práticas parentais, o que fomos percebendo é que o estilo mais eficaz é aquele que habitualmente descrevemos como democrático, que se caracteriza por uma relação calorosa e que implica a aceitação do outro, que sublinha a importância das regras, das normas e dos valores e em que há disponibilidade para escutar, explicar e negociar, ajudando o adolescente a construir as suas próprias ideias. Investir nestas práticas ao longo de todo o crescimento dos filhos parece ser a maneira mais eficaz de integrar as regras na dinâmica familiar, inclusivamente na adolescência. 


Quais as principais dificuldades que os pais têm em lidar com filhos adolescentes?
No trabalho desenvolvido com pais de adolescentes, uma das dificuldades que mais vezes é referida diz respeito à tarefa de lidar com alguém que é agora (muito) mais crítico e capaz de questionar o mundo em geral e os pais em particular. É um novo desafio para os pais. Gostaria de lembrar que a argumentação dos jovens é um sinal de que este está a dar passos de independência, desenvolvendo confiança com vista à autonomia e que embora isso possa tornar o ambiente familiar diferente, na verdade a família é o contexto mais protegido e mais compreensivo para este treino. 


Outra dificuldade apresentada,frequentemente em forma de “queixume”, tem a ver com o menor interesse do jovem em se envolver nas atividades familiares e no passar tempo em família. Também isto testemunha os passos de crescimento e não deverá ser visto como “conflito”. Cabe aos pais a tarefa de permitir aos filhos os momento de contato com os amigos mas ao mesmo tempo de alimentar com criatividade situações de vida familiar que garantam satisfação e sentido de pertença para todos. 

Como os pais devem aceitar o crescimento e crescente autonomia dos filhos?
Quando conversamos com pais que encontram no seu dia a dia tempo para pensar sobre as novas características dos seus adolescentes, sobre o modo como eles próprios sentem estas novidades e como estas interferem na dinâmica familiar, bem como sobre o que sentem ao ver chegar um momento da vida que antecede a independência dos filhos, percebemos como isso é útil na resposta às situações concretas – e desafiantes – que se vão colocando. Ao investir num sentimento de relação, na comunicação familiar e ao encorajar a independência, os pais estão habitualmente num processo difícil e doloroso, é verdade. Mas todos querem que os seus filhos sejam adultos felizes, autónomos e realizados, por isso vale a pena! 


Quais as principais preocupações dos pais e como as resolver?
Uma das grandes preocupações dos pais é a influência – potencialmente vista como negativa – dos grupos de pares, dos amigos. Contrariando esta visão tantas vezes pessimista, o que sabemos hoje é que os amigos desempenham um papel fundamental na adolescência, ajudando no caminho da construção da identidade. Ou seja, nas questões de decisão vocacional e futura carreira profissional, na adopção de crenças e valores próprios e também no desenvolvimento de uma identidade sexual satisfatória, atuando por vezes como grupo de autoajuda. 


Apesar de parecer que o grupo é tudo o que interessa, a família mantém-se como influência importante, sendo inclusivamente referência na escolha do grupo de amigos. E, embora existam situações em que a autoridade parental é desafiada, não é habitual que se instale um conflito de gerações com proporções marcantes. Essas situações são exceções. 


Até onde deve ir a liberdade dada?
Partindo de todas as diferenças individuais, cada família tem a sua dinâmica própria e a questão da liberdade não surge apenas na adolescência, acompanha toda a vida familiar. Penso que uma das importantes tarefas dos pais é justamente pesar a quantidade de liberdade e autonomia que possibilitam aos filhos, em cada fase do desenvolvimento, ajustando-a ao nível de maturidade que estes apresentam. Na adolescência, tal é especialmente importante pois para o adolescente este é um tema central, que provavelmente reivindicará. Assim, possibilitar o treino de maior liberdade e autonomia no sentido da responsabilização é sem dúvida uma boa estratégia se conjugada com a monitorização das atividades. Refiro-me ao saber onde está o filho, com quem, o que estão a fazer e quando estará novamente em casa. Mas sem que o pai/mãe se transformem num fiscal de controlo, a envolver-se nas suas actividades de tempo livre, conhecer os amigos, etc. 


No caso de filhos problemáticos, que conselhos pode dar aos pais?
Quando os pais e/ou os adolescentes se sentem realmente incomodados com os confrontos constantes ou se os temas recorrentes em casa disserem respeito a problemas sérios como o consumo de substancias (ilícitas ou lícitas como o álcool), depressão, violência ou comportamentos sexuais de risco, então aconselho que os pais deverão considerar o recurso a ajuda profissional especializada: o psicólogo, o médico de família ou especialista ou o enfermeiro do centro de saúde, por exemplo. 


Como se mantém a qualidade de relacionamento que se tinha quando os filhos eram crianças?
Esta é sem dúvida uma temática que preocupa os pais dos adolescentes, pois muitas vezes parece que o tipo de relação estabelecida mudou drasticamente e que nunca mais virá a ter as mesmas características. Queria recordar que o afastamento da família é importante para o desenvolvimento da identidade e autonomia do adolescente, mas que tal não deverá ser sinónimo de separação. Refiro-me sim a um distanciamento calmo e de cooperação, procurando reduzir ao mínimo o conflito verbal, mesmo sabendo que há diferenças quanto ao que pensam sobre música, vestuário ou penteados… Assim, esta cooperação e envolvimento deverá ser trabalhada com criatividade, pois a sua utilidade vai ser muita. 


A proximidade e o cuidado que este envolvimento revela têm sido associados, por exemplo, a menos comportamentos antissociais, menos problemas de consumos de substâncias. Esta proximidade deverá integrar as atividades dos tempos livres e assim, além de demonstrarem interesse e disponibilidade – que têm um impacto profundo no adolescente - os pais terão conhecimento sobre os diferentes aspetos da vida dos seus filhos sem que tal seja lido como afirmação de poder ou invasão de privacidade. Podem existir momentos de argumentação mais acesa, de confusão, de aumento de stress, mas a maior parte das famílias ultrapassa esta fase sem consequências negativas. O esforço valerá sempre a pena, sabendo que o relacionamento positivo entre os adolescentes e os seus pais prediz uma boa transição para a vida adulta. 

Por Sónia Santos Dias
http://familia.sapo.pt

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Vamos a Santiago de Compostela...

Câmeras ao Vivo, a partir de Santiago de Compostela

O Portal Peregrino apresenta uma série de câmeras web ao vivo de Santiago de Compostela e de muitas outras cidades nos diversos Caminhos a Santiago.

A maioria das câmeras é da CRTVG - Compañia de Radio - Televisión de Galicia. As demais são de diversos serviços nas cidades.


Cada pessoa pode ver a imagem das câmeras localizadas nos diversos lugares, clicando nos link abaixo:
No sábado, entre as 11h30 e 12h30, estaremos lá... Clica nos números 1, 2 e 3 (Praça do Obradoiro, Praça de Quintanas e Praça de Praterias)!
in Portal do Peregrino

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

sábado, 14 de fevereiro de 2015

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Experiência vivida por uma adolescente no MSN


Após deixar os livros no sofá ela decidiu lanchar e entrar online.
Assim, ligou-se com o seu nome de código (nick): Docinho14.
Procurou na sua lista de amigos e viu que Meteoro123 estava ligado.
Decidiu então enviou-lhe uma mensagem instantânea:

Docinho14: Oix. Que sorte estares aí! Pensei que alguém me seguia na rua hoje. Foi mesmo esquisito!
Meteoro123: Lol. Vês muita TV. Por que razão alguém te seguiria? Não moras num local seguro da cidade?
Docinho14: Com certeza. Lol. Acho que imaginei isso porque não vi ninguém quando me virei.
Meteoro123: A menos que tenhas dado o teu nome online. Não fizeste isso, pois não?
Docinho14: Claro que não. Não sou idiota, já sabes.
Meteoro123: Jogaste voleibol depois das aulas, hoje?
Docinho14: Sim e ganhámos!
Meteoro123: Óptimo! Contra quem?
Docinho14: Contra as Vespas do Colégio da Sagrada Família. Lol. Os uniformes delas são um nojo! Pareciam abelhas, Lol.
Meteoro123: Como se chama a tua equipa?
Docinho14: Somos os Gatos de Botas. Temos garras de tigres nos uniformes. São impecáveis.
Meteoro123: Jogas ao ataque?
Docinho14: Não, jogo à defesa. Olha: tenho que ir. Tenho que fazer os TPC antes que cheguem os meus pais. Xau!
Meteoro123: Falamos mais tarde. Xau.

Entretanto, Meteoro123 foi à lista de contactos e começou a pesquisar sobre o perfil dela.
Quando apareceu, copiou-o e imprimiu-o.
Pegou na caneta e anotou o que sabia de Docinho até agora.
Seu nome: Susana.
Aniversário: Janeiro 3.
Idade: 13.
Cidade onde vive: Porto.
Passatempos: voleibol, inglês, natação e passear pelas lojas.
Além desta informação sabia que vivia no centro da cidade porque lho tinha contado recentemente.
Sabia que estava sozinha até às 18.30 todas as tardes até que os pais voltassem do trabalho.
Sabia que jogava voleibol às quintas-feiras de tarde com a equipa do colégio, os Gatos de Botas.
O seu número favorito, o 4, estava estampado na sua camisola.
Sabia que estava no oitavo ano no colégio da Imaculada Conceição.
Ela tinha contado tudo em conversas online. Agora tinha informação suficiente para encontrá-la.
Susana não contou aos pais sobre o incidente ao voltar do parque. Não queria que ralhassem com ela e a impedissem de voltar dos jogos de voleibol a pé.
Os pais sempre exageram e os seus eram os piores.
Ela teria gostado não ser filha única. Talvez se tivesse irmãos, os seus pais não tivessem sido tão super protectores.
Na quinta-feira, Susana já se tinha esquecido que alguém a seguira.
O seu jogo decorria quando, de repente, sentiu que alguém a observava. Olhou e viu um homem que a observava de perto.
Estava inclinado contra a cerca na arquibancada e sorriu quando o viu. Não parecia alguém de quem temer e rapidamente desapareceu o medo que sentira.
Depois do jogo, ele sentou-se num dos bancos enquanto ela falava com o treinador.
Ela apercebeu-se do seu sorriso mais uma vez quando passou ao lado.
Ele acenou com a cabeça e ela devolveu-lhe o sorriso.
Também confirmou o seu nome nas costas da camisola. Sabia que a tinha encontrado.
Silenciosamente, caminhou a uma certa distância atrás dela.
Eram só uns quarteirões até casa dela. Quando viu onde morava voltou ao parque e entrou no carro. Agora tinha que esperar. Decidiu comer algo até que chegou a hora de ir à casa da menina. Foi a um café e sentou-se.

Mais tarde, nessa noite, Susana ouviu vozes na sala. “Susana, vem cá!”, chamou o seu pai.
Parecia perturbado e ela não imaginava porquê. Entrou na sala e viu o homem do parque no sofá. “Senta-te aí”, disse-lhe o pai, “este senhor acaba-nos de contar uma história muito Interessante sobre ti”.
Susana sentou-se. Como poderia ele contar-lhes qualquer coisa? Nunca o tinha visto senão nesse mesmo dia!
“Sabes quem eu sou?”, perguntou o homem.
“Não”, respondeu Susana.
“Sou polícia e teu amigo do Messenger - Meteoro123”.
Susana ficou pasmada. “É impossível! Meteoro123 é um rapaz da minha Idade! Tem 14 e mora em Braga!”.

O homem sorriu. “Sei que te disse tudo isso, mas não era verdade. Repara, Susana, há gente na Internet que se faz passar por miúdos; eu era um deles. Mas enquanto alguns o fazem para molestar crianças e jovens, eu sou de um grupo de pais que o faz para proteger as crianças dos malfeitores. Vim para te ensinar que é muito perigoso falar online. Contaste-me o suficiente sobre ti para eu te achar facilmente. Deste-me o nome da tua escola, da tua equipa e a posição em que jogas. O número e o teu nome na camisola fizeram com que te encontrasse facilmente.
Susana gelou. “Quer dizer que não mora em Braga?”.
Ele riu-se: “Não, moro no Porto. Sentiste-te segura achando que morava longe, não é?”

“Tenho um amigo cuja filha não teve tanta sorte: foi assassinada enquanto estava sozinha em casa. Ensinam-se as crianças e jovens a não dizer a ninguém quando estão sozinhos, porém contam isso a toda a gente pela Internet. As pessoas maldosas enganam e fazem-se passar por outras para tirar informações de aqui e de ali online. Antes de dares por isso, já lhes contaste o suficiente para que te possam achar sem que te apercebas. Espero que tenhas aprendido uma lição disto e que não o faças de novo. Conta aos outros sobre isto para que também possam estar seguros”. “Prometo que vou contar!”.

CONCLUSÃO:
Por favor, diz isto aos teus amigos de forma a que não forneçam informações sobre si próprios. O mundo em que hoje vivemos é perigoso demais.
E NÃO TE ESQUEÇAS: CUIDADO COM AS INFORMAÇÕES QUE PASSAS NO FACEBOOK, NO MSN OU OUTROS... NUNCA SABES AO CERTO QUEM ESTÁ DO OUTRO LADO...

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Sentido da vida - "Empatia"


Uma reflexão emocionante sobre o próximo e que nos convida a agir com empatia ao invés de julgar...
A. Calheiros
Empatia: capacidade psicológica para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela. Tentar compreender sentimentos e emoções que sente outro indivíduo. Ou seja, colocar-se no lugar de outra pessoa.


Como seria se soubessemos o que a pessoa ao nosso lado pensa ou sente? 
Será que a trataríamos melhor? (...)


De onde vem o Carnaval?


De onde vem o Carnaval? Alguns, erroneamente, dizem até que foi a Igreja Católica que o inventou; nada mais absurdo.

Vários autores explicam o nome Carnaval, do latim “carne vale”, isto é, “adeus carne” ou “despedida da carne”; o que significa que no Carnaval o consumo de carne era considerado lícito pela última vez antes dos dias de jejum quaresmal. Outros estudiosos recorrem à expressão “carnem levare”, suspender ou retirar a carne.

Alguns etimologistas explicam as origens pagãs do Carnaval: entre os gregos e romanos costumava-se fazer um cortejo com uma nave, dedicado ao deus Dionísio ou Baco, o deus do vinho, festa que chamavam em latim de “currus navalis” (nave carruagem), de donde teria vindo a forma Carnavale. Não é fácil saber a real origem do nome.

Outras festas semelhantes aconteciam na entrada do novo ano civil (mês de janeiro) ou pela aproximação da primavera, na despedida do inverno. Eram festas religiosas, dentro da concepção pagã e da mitologia. Por exemplo, para exprimir o cancelamento das culpas passadas, encenava-se a morte de um boneco que, depois de haver feito seu testamento era queimado ou destruído.

Em alguns lugares havia a confissão pública dos vícios, o que muitas vezes se tornava algo teatral, como por exemplo, o cômico Arlequim que, antes de ser entregue à morte confessava os seus pecados e os dos outros.

Tudo isso era feito com o uso de máscaras, fantasias, cortejos, peças de teatro, etc. As religiões ditas “de mistérios” provenientes do Oriente e muito difusas no Império Romano, concorreram para essas festividades carnavalescas. Estas tomaram o nome de “pompas bacanais” ou “saturnais” ou “lupercais”. Como essas festas perturbavam a ordem pública, o Senado Romano, no séc. II a.C., resolveu combater os bacanais e seus adeptos, acusados de graves ofensas contra a moralidade e contra o Estado.

Essas festividades populares podiam acontecer no dia 25 de dezembro (dia em que os pagãos celebravam Mitra - ou o Sol Invicto) ou o dia 1º de janeiro (começo do novo ano), ou outras datas religiosas pagãs.

Quando o Cristianismo surgiu, encontrou esses costumes pagãos. Os missionários procuraram então cristianizar esses costumes, como ensinava São Gregório Magno, no sentido de substituir essas práticas supersticiosas e mitológicas por outras cristãs (Natal, Epifania do Senhor ou a Purificação de Maria, dita “Festa da Candelária”, em vez dos mitos pagãos celebrados a 25 de dezembro, 6 de janeiro ou 2 de fevereiro). Por fim, essas festividades pagãs do Carnaval ficaram apenas nos três dias que precedem a Quarta-feira de Cinzas.
(...)
 Felipe Aquino especialista aleteia network, Daqui

Clica na imagem

Clica na imagem
Fotos do Mundo

Testa a tua memória

Faz o teu presépio

Faz a tua árvore

Jogo Poluição das Águas

Jogo Eco-Cidade

Jogo Gesto Inteligente Transportes

Joga connosco e aprende!

Jogo interativo em Espanhol

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Jogo "Ser Pessoa"

Os perigos do tabaco

Os perigos do tabaco
Clica, joga e aprende...

Religiões do mundo

Religiões do mundo
Jogo - Para saber mais